Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CENÁCULO

Escrutinando Eça.

O CENÁCULO

Escrutinando Eça.


09.09.18

Cartas de Paris e leveza de pensamento.

por Nes.

Eça viveu em Paris na recta final da sua vida, exercendo ali as funções de cônsul. Era já conhecido e famoso pelos seus livros, que começavam a ser traduzidos Europa fora. Escrevia ainda para a Gazeta de Notícias, periódico brasileiro sediado no Rio de Janeiro, através do qual informava os cariocas das notícias da França. Os temas dos textos variam muito - os anarquistas, a política e sociedade francesas, o assassinato do Presidente Carnot, e a imprensa.

 

Nesta fase da sua vida, o humor de Eça era muitíssimo subtil, e a sua escrita serena. Tinha já passado a fase irónica, ácida e acutilante que o levara a criar Acácios e Egas, mas mantinha o espírito vivo e a caneta afiada para a crítica. Num dos textos desta compilação - importantes para também compreender a história daquele tempo e perceber como os grandes conflitos do século XX já se faziam adivinhar nessa época - Eça refere a forma como a imprensa perdeu o hábito de educar, para lançar o hábito de julgar superficialmente.

 

"Incontestavelmente foi a imprensa, com a sua maneira superficial e leviana de tudo julgar e decidir, que mais concorreu para dar ao nosso tempo o funesto e irradicável hábito dos juízos ligeiros. (...)É com impressões que formamos as nossas conclusões. Para louvar ou condenar em política o facto mais complexo, e onde entrem factores múltiplos que mais necessitem análise, nós largamente nos contentamos com um boato escutado a uma esquina. Para apreciar em literatura o livro mais profundo, apenas nos basta folhear aqui e além uma página, através do fumo ondeante do charuto. (...) Com que esplêndida facilidade declaramos, ou se trate de um estadista, ou se trate de um artista: «É uma besta! É um maroto!» Para exclamar «É um génio!» ou «É um santo!» oferecemos naturalmente mais resistência. Mas ainda assim, quando uma boa digestão e um fígado livre nos inclinam à benevolência risonha, também concedemos prontamente, e só com lançar um olhar distraído sobre o eleito, a coroa de louros ou a auréola de luz."

 

Palavras para quê?

publicado às 11:00

Mais sobre mim

imagem de perfil

Pesquisar

 

Arquivo

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.