Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CENÁCULO

Escrutinando Eça.

O CENÁCULO

Escrutinando Eça.


09.07.17

Eça, partiste-me o coração...

por Nes.

... e de que maneira. 

 

"E não me rasgaste tu também o coração? Tiveste tu piedade? Não. Retalhaste-mo! Meu Deus, eu que a julgava pura,"... escrevia o Enestinho no lendário "O Primo Basílio", enquanto burilava o seu dramático drama, passe o pleonasmo. Pois sinto o mesmo em relação a ti, caro Eça - que me retalhaste o meu frágil e literário coração.

 

Eu já sabia, já vinha desconfiando, desta traição. Havia indícios, claro - uma biografia claramente reveladora das tuas tendências, resquícios de expressões tuas pelos livros que me passavam nas mãos, o bichanar daqueles que eu achava que nos queriam mal - a ti e a mim, tua confessa admiradora. O mundo é que não gostava da nossa relação. O mundo estava cheio daquelas míticas pessoas invejosas de quem toda a gente ouve falar no Facebook, e a quem toda a gente envia "beijos de luz", enquanto "samba na cara das inimigas". Nenhuma nos queria bem, a nós e ao que tão de especial temos.

 

Mas, ai! As mentiras não duram para sempre. Muito menos as mentiras piedosas que contava a mim própria, para não deixar isto morrer. Não tive outro remédio senão enfiar o nariz naquilo para o qual tantos me alertavam. Enchi-me de coragem, respirei fundo, enquanto ouvia no fundo da minha alma a Mónica Sintra cantarolando, desta vez, acerca de traições literárias...

 

"Na minha biblioteca com ele, 

Tu e ele no meio dos títulos, 

A inspirares-te nele, 

Muito mais que uns capítulos"

 

... e comecei a ler "Uma Educação Sentimental", de Flaubert.

 

Minha Nossa Senhora! As comparações teriam um fim? Este Frédéric não está mesmo talhado a partir de um Artur Corvelo? Esta devoção pela Senhora Arnoux, que até é invocada como sendo "Ela", maiúscula e tudo, não é mesmo uma cópia descarada dessa loucura infinita que era a (suposta) Baronesa de Paradas? Esse amor pela ascensão social, pelas coisas luxuosas, pelas soirées desgraçadas, não está ao nível de um rico episódio de "Os Maias"? Caramba, até aquele grito no meio da balbúrdia, "Meus Senhores! Eu tenho experiência" é algo que já li na obra maior do tio Eça! E aquele Deslauriers - ou devo chamar-lhe Damião? 

 

Ai... Vou recompor-me. Os escritores só nos dão desgostos. Vou ver se arranjo ali umas bolachinhas de chocolate e um livrito da Corin Tellado para me ajudar a superar esta facada, tio Eça!

 

publicado às 14:18

Mais sobre mim

imagem de perfil

Pesquisar

 

Arquivo

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.